A- A+
The Lumineers - São Paulo

As circunstâncias que cercaram a criação do quarto álbum de The Lumineers, BRIGHTSIDE (lançado em 14 de janeiro), foram diferentes de tudo que Wesley Schultz e Jeremiah Fraites já haviam experimentado em suas quase duas décadas fazendo música juntos. Eles estavam há cinco meses em uma turnê projetada para dois anos de seu álbum de 2019, III, sem planos de começar a trabalhar em outro LP, quando a pandemia os forçou a sair da estrada em março de 2020. Esse soco no estômago ocorreu quando Fraites se preparava para se mudar de Denver para a cidade natal de sua esposa na Itália, onde a COVID-19 estava em alta. De repente, tudo estava de pernas para o ar. Mas, se vendo com tempo disponível, eles perceberam que poderiam muito bem aproveitar. Cada um acabou gravando um álbum solo – “acidentalmente”, brinca Schultz – e essas viagens paralelas e espontâneas os inspiraram a inverter o roteiro em seu processo criativo colaborativo.

Com tempo disponível, Fraites, que há anos acumulava músicas, compôs três músicas instrumentais para o aplicativo Calm e acabou gravando um álbum de instrumentais de piano, que lançaria como Piano Piano. Em julho, ele e Schultz começaram a trabalhar juntos em um novo material, e continuaram em setembro, quando Fraites se mudou para a Itália. Nessa altura, Schultz foi para Catskills, onde o produtor do grupo Simone Felice e o co-produtor/engenheiro/mixer David Baron viviam e trabalhavam. Lá, eles espontaneamente gravaram uma série de covers despojados de músicas de, entre outros favoritos, Dylan, Warren Zevon e Blue Nile; ele intitularia o projeto Vignettes. Dois meses depois, Fraites voltou a Denver e voltou a trabalhar nas músicas que formariam o BRIGHTSIDE com energia e perspectiva renovadas.

“A maneira como fiz Vignettes foi muito diferente de como eu estava fazendo os discos do Lumineers com Jer”, lembra Schultz. “Eu estava aparecendo no estúdio de Simone e David sem saber realmente o que faríamos naquele dia, apenas deixando as coisas acontecerem. Não houve planejamento ou coreografia – estávamos criando em tempo real. E essa experiência se infiltrou na produção de BRIGHTSIDE.

“Em nossas sessões demo dos discos anteriores, Jer e eu normalmente fazíamos de 10 a 50 versões de cada música usando o Pro Tools; nós orquestraríamos isso de maneira diferente, aceleraríamos, desaceleraríamos ou mudaríamos o tom em um esforço para encontrar a versão mais potente da ideia. Mas desta vez foi o básico. Começamos a fazer uma demo no porão de Jer e nem tocamos no computador – apenas usamos meu telefone para gravar memorandos de voz, e foi isso que enviamos para Simone. Para mim, tratava-se de querer ter mais curiosidade no estúdio e não ter tudo acertado. Parecia um novo caminho.”
Fraites concorda. “Por mais estranho que pareça, sinto que 2020 foi o período criativo mais fértil de toda a minha vida, por vários motivos”, diz ele. “Terminei o álbum instrumental solo e, quando Wes e eu começamos a trabalhar nas músicas juntos, me senti vivo e ligado, e trabalhamos muito rápido. Acho que confiamos mais em nós mesmos. Nós nos concentramos nas coisas. Então, quando entramos em estúdio com Simone, ele só tinha aquelas gravações de iPhone e muito low-fi que deixavam muito mais para a imaginação do que os processos anteriores. E isso foi emocionante.”

À medida que começaram a trabalhar no porão de Fraites, a ausência de premeditação e questionamentos sobrecarregou seu processo criativo. “Às vezes é o cerne de uma ideia ou alguma linha aleatória que se torna sua estrela do norte”, ressalta Schultz. “Com ‘BIG SHOT’, por exemplo, Jer me enviou uma demo que dizia ‘I want to be a big shot, big man’, algo assim.

Isso era tudo o que ele tinha, mas eu pensei, ‘Há algo realmente interessante aqui’. Outras vezes, era apenas um sentimento. Então, muito disso resultou em lágrimas e me perder nisso e depois gravar no meu telefone, mas depois ouvir e dizer: ‘Há algo nisso; O que está acontecendo aqui?'"
“Então, grande parte deste álbum foi apenas encontrar o espírito de cada música. Tipo, com ‘NEVER REALLY MINE’, eu me perguntei como faço para você sentir que está tendo uma discussão tão barulhenta com seu namorado que a polícia está sendo chamada por seus vizinhos?
“A beleza do nosso relacionamento de composição”, diz Fraites, “é que um dístico que eu criei, ‘Love was not designed for time/You were never really mine’, tornou-se o refrão, e então Wes escreveu o resto da letra e se transformou em uma música incrível.”

“Fazer esse disco foi desligar a parte crítica do meu cérebro e ser apenas uma criança, mas ter as habilidades de alguém que toca há mais de 20 anos”, explica Schultz. “Foi uma bela combinação de inocência misturada com algum nível de perspicácia ou habilidade – reconectando com aquele impulso inocente que você teve quando decidiu que queria ser músico. Então isso foi parte do que tornou este álbum diferente dos anteriores. Outra grande parte disso foi perceber que havíamos contado muitas histórias em nossas letras, enquanto com esta, se tornou mais uma tentativa de comunicar um sentimento, em vez de descrever exatamente sobre o que a música trata. Eu tive que me afastar disso e foi realmente revigorante. Então, muito disso lança um feitiço – faz você sentir algo.”

Liberados de sua rotina e revigorados por esse novo/velho processo, Schultz e Fraites foram para Felice and Baron's Sun Mountain Studios em Boiceville, N.Y., para começar BRIGHTSIDE em março de 2021. Também estavam presentes dois membros que fazem turnê com a banda, o baixista/backing vocal Byron Isaacs e a violinista Lauren Jacobson, enquanto Baron contribuiria com teclados e sintetizadores.
Nos dois álbuns anteriores de The Lumineers, Felice e a banda penduravam fotos e citações em um “vision board” que ficava na sala. Quando eles entraram no estúdio no primeiro dia do projeto BRIGHTSIDE, o quadro tinha apenas uma foto em preto e branco de Noel e Liam Gallagher no palco em Knebworth durante o pico do Oasis, e abaixo dela, o produtor escreveu uma única palavra: “LIVRE". Claramente, Felice sentiu uma energia recém-descoberta saindo daquelas demos do iPhone, e ele estava totalmente envolvido no desejo de seus parceiros de criar magia.

O momento de ruptura ocorreu logo depois, quando eles agarraram o “BRIGHTSIDE”, cuja estrutura Schultz havia inventado antes da pandemia durante uma turnê pela Austrália. “Eu estava dedilhando o riff, que tinha uma qualidade brilhante e muito vigor, e disse: 'Não sei quem vai tocar o quê, mas esse riff tem que acontecer na música'. Jer estava entusiasmado. e tocando esse tipo estranho de batida de bateria de 'Don't Come Around Here No More'.

Assim como Schultz, Fraites se lembra vividamente do momento da ignição e da sensação que sentiu enquanto isso acontecia. “A bateria foi afinada e comecei a tocar uma batida que nunca tinha tocado antes em toda a minha vida, sem pensar muito nisso”, diz ele. “Foi muito bom e parecia incrível. E eu não tinha ideia de que estávamos sendo gravados. David Baron diz que saltou pela sala para apertar o seu Pro Tools para começar a gravar a batida da bateria.”

De volta a Schultz, “Havia um Gretsch White Falcon como aquele que Neil Young costumava tocar nos anos 70, e eu o peguei como uma piada. Eu disse: ‘E se eu tentar isso?’ Começamos a tocar e eu senti como se tivesse 15 anos quando comecei a tocar guitarra. Fiquei animado e surpreso com os sons e aquela batida.”
“E essa foi realmente a abordagem que tivemos”, diz Fraites, que recebeu o apelido de “Jersey Ringo” durante as sessões porque o que ele tocava soava simples, mas enganosamente difícil. “Pegamos aquela bateria, fizemos um loop e fizemos a faixa a partir disso – apenas a guitarra e os vocais de Wes sobre a batida de bateria que eu literalmente não tinha ideia de que era a melhor versão. Então essa coisa icônica surgiu do nada. Havia algo sobre começar aquela música com aquela batida, onde eu apenas tentava ser livre, e adoro a ideia de que levei 20 anos para tocar como se fosse um adolescente novamente. Isso permeou o resto do álbum.”

“Uma grande parte do que nos empolgou neste álbum foi que ele veio de um lugar muito diferente dos nossos álbuns anteriores – todos eles”, diz Schultz. “Parte do que tornou nossos discos anteriores legais foi que eles eram muito minuciosos e cada nota era importante. E eu sinto que fizemos isso bem, mas este parecia muito mais vivo. Estávamos tocando de uma forma mais urgente e perigosa do que qualquer um dos outros discos, com exceção de certas músicas como 'Big Parade' em nosso primeiro álbum, 'Angela' em nosso segundo ou 'Jimmy Sparks' em nosso terceiro... tudo isso foi feito de última hora no estúdio. Então todo esse álbum é como um disco de última hora.”
Em contraste com o angustiado e narrativo III, as canções de BRIGHTSIDE são impulsionadas por um otimismo subjacente. Aqui, embora várias músicas sejam sobre um relacionamento sendo testado ou desmoronando, sua dinâmica suave/alta cria um clímax widescreen e eletrizante que parece envolvente. Este é, sem dúvida, o álbum mais rock do The Lumineers – então, de uma forma muito diferente, BRIGHTSIDE é uma surpresa tão grande quanto o III foi.

“Quando nos conhecemos”, diz Schultz, “Jer e eu estávamos fazendo músicas realmente diferentes – progressivas, guitarras elétricas pesadas, realmente dissonantes. Quando fizemos nosso primeiro álbum, entramos nessa fase em que começamos a desfrutar de progressões de acordes mais inocentes e simples, além de acordes maiores e sons mais alegres. E então, com o III, passamos por alguns momentos realmente sombrios. Nosso objetivo para esse álbum não era que fizesse sentido total agora, mas que parecesse estranho daqui a alguns anos. Foi mais como, o que realmente estamos passando como humanos, como famílias, como país? Como podemos falar sobre isso honestamente e não citar a palavra ‘pandemia’ ou ‘quarentena’?”

“Este não é de forma alguma um ‘álbum sobre COVID’”, insiste Fraites. “Eu realmente me arrepio com a ideia de BRIGHTSIDE estar ligado a essa época, porque não quero que a arte seja para sempre fundida a ela. Idealmente, quando este álbum for lançado em janeiro, será um novo ano e poderemos realmente começar a chegar a um lugar melhor. Então parece um ótimo momento.”
Schultz compara a produção de BRIGHTSIDE a “adotar um estilo diferente de cozinhar, onde você tem essas habilidades em uma área e está tentando aplicá-las, mas também é ingênuo sobre como fazer essa outra coisa. Grande parte disso foi apenas encontrar o espírito de cada música. Portanto, este é um novo direcionamento e é emocionante para nós. Eu não acho que poderia voltar a fazer discos da maneira antiga agora, porque este foi muito mais divertido de fazer e parece muito mais vivo. Há um fogo neste álbum que eu não acho que estávamos dispostos a enfrentar no passado. Conseguimos sair do nosso próprio caminho e ir direto à fonte.”
 

 

São Paulo

Apresentação: 05/11/2023 às 21h - horário de Brasília.

Abertura dos portões: 19h

Local: Espaço Unimed

Endereço: Rua Tagipuru, 795 - Barra Funda, São Paulo - SP

Classificação: 16 anos. Sujeito a alteração por decisão judicial.

 

Bilheteria Oficial

Espaço Unimed - sem taxa de serviço:

Rua Tagipuru, 795 Barra Funda São Paulo - SP

Segunda a Sexta das 10:00 às 18:00 e Sábado das 10 às 14:00

Em dias de shows não há atendimento. Confira a programação do local.

 

 

Taxa de Serviço: 20%

Limite de ingressos por CPF: Clientes podem comprar até 06 ingressos sendo 02 meias-entradas. 

 

Venda Geral

 

Início das Vendas: 28/07/2023 às 10h00 em www.ticketmaster.com.br e as 11h00 na Bilheteria Oficial (veja o endereço da bilheteria oficial no menu de cada cidade indicado acima).

Para compras online: Cartões de crédito em até 10 parcelas sendo em até 03 sem juros e PIX à vista. 

Para compras na bilheteria oficial: Cartões de crédito em até 03 parcelas, cartões de débito e dinheiro. 

 

Ingressos para PcD

A compra pode ser feita na bilheteria ou diretamente no site.

Para compras online, durante o processo de compra, selecione seus ingressos de meia-entrada, clique em “Continuar” para ser redirecionado para a próxima etapa onde deve informar os tipos de meia-entrada que deseja. Ao escolher a categoria “Pessoas com Deficiência”, você deverá fornecer os dados do beneficiário e poderá adicionar um ingresso para acompanhante + os dados desta pessoa.

Os valores dos ingressos do tipo meia entrada serão apresentados e você poderá avançar com a conclusão do pagamento.

Recomendamos que a compra dos ingressos para a Pessoa com Deficiência e seu acompanhante sejam realizados no mesmo momento e em mesmo pedido, garantindo que permaneçam juntos no setor durante toda a apresentação.

 

Outras Informações

Se você precisar de informações sobre meia-entrada, acesse esta página.

Para auxílio sobre perfil/cadastro, clique aqui.

As informações sobre o processo de compra, estão neste artigo.